O I Seminário do Grupo de Pesquisa Cultura, Sociedade e Linguagem (GPCSL/CNPq): os sertões da Bahia objetiva discutir temáticas interdisciplinares dedicadas aos estudos dos sertões baianos, articulando debates emergentes e novas interpretações dessa região que desfruta pari passu de maior atenção da comunidade acadêmica estadual e nacional; promover o intercâmbio institucional com a divulgação e debate de pesquisas acadêmicas e fomentar parcerias interinstitucionais.

Inscreve-se na perspectiva de interlocução entre diversas áreas do conhecimento e intercâmbio institucional entre pesquisadores. Propõe articular peculiaridades e validar campos de pesquisa que assegurem e legitimem o ensino e a extensão universitários. Prima pelo desenvolvimento de pesquisas acadêmicas compatíveis e articuladas aos contextos históricos e socioculturais dos sertões da Bahia, integradas às demais regiões brasileiras.

“Olhares: o alto sertão da Bahia”. Exposição fotográfica

Autores/fotógrafos:

Antonio Claudio Barbosa

Gysele Lima de Toledo

Tomé Lucas de Araujo Oliveira

17/10/2011 (segunda-feira)


9h às 12h e 14h às 18h. Credenciamento

18h às 19h. Apresentação dos painéis

19h às 21h. Mesa-redonda 1
“Os sertões da Bahia nos séculos XVIII e XIX: notas históricas”
Profa. Dra. Isnara Pereira Ivo. UESB
Prof. Dr. Márcio Roberto Alves dos Santos. AL-MG
Coordenadora: Profa. Dra. Maria de Fátima Novaes Pires. UFBA

18/10/2011 (terça-feira)


9h às 12h. Simpósios temáticos

15h às 18h. Simpósios temáticos

18h às 19h. Apresentação dos painéis

19h às 21h. Mesa-redonda 2
“Leitura e formação docente”
Profa. Dra. Maria de Fátima Barbosa Abdalla. UNISANTOS
Profa. Dra. Marilde Queiroz Guedes. UNEB IX/Barreiras
Profa. Ms. Luciete de Cássia Souza Lima Bastos. UNEB VI/Caetité
Coordenadora: Profa. Ms. Marinalva Nunes Fernandes. UNEB VI/Caetité

19/10/2011 (quarta-feira)


9h às 11h. Mesa-redonda 3
“Grupo sertões: projetos e pesquisas”
Coordenadora: Profa. Ms. Zélia Malheiro Marques (coordenadora do NUPE). UNEB VI/Caetité

11h às 12h30min.
Assembleia do Grupo de Pesquisa Cultura, Sociedade e Linguagem (GPCSL/CNPq)
Coordenador: Prof. Ms. Paulo Henrique Duque Santos. UNEB VI/Caetité

14h às 16h. Mesa-redonda 4
“Arquivos, acervos, patrimônio e a preservação da memória histórica”
Prof. Ms. Gilson Brandão de Oliveira Junior. UFBA/Barreiras
Prof. Esp. Zezito Rodrigues da Silva. UNEB VI/Caetité
Coordenadora: Profa. Esp. Maria Auxiliadora Ribeiro Ledo. UNEB VI/Caetité

16h às 19h.
Local: Centro de Cultura de Ibiassucê
End.: Rua Juracy Magalhães, 36
Centro – Ibiassucê – Bahia

Exibição do filme “Tragédia do Tamanduá”

Dobradores de Arte. Grupo de Teatro da UNEB/Casa Anísio Teixeira

Grupo Lamparina. Ibiassucê, Bahia

Café sertanejo, com voz e violão de alunos do campus.

ST – Acervos, bens culturais e patrimônio

Descrição: barra3

Acompanha as transformações dos conceitos de acervos, patrimônio e bens culturais. Aborda questões relativas à cultura material e imaterial, à circulação de bens culturais e à reinvenção das noções de identidade e de representação, na contemporaneidade. Articula trabalhos que avaliam as transformações ocorridas no cenário de antigas cidades ao papel das políticas culturais em disputa, que introduzem novo consumo de bens culturais e imprimem novos usos e significados aos espaços públicos.

 Professores coordenadores:

Maria Eliane Brito de Andrade

Zezito Rodrigues da Silva


Fernanda de Oliveira Matos 

Catedral de Santana, patrimônio histórico e cultural de Caetité

A história da igreja em Caetité inicia-se, ainda no século XVIII quando famílias da freguesia se empenham na construção da capela de Santana. A freguesia torna-se Paróquia em 1754 e sede da diocese em 1913 e com a chegada do primeiro bispo em 1915, a diocese começa a se estruturar, inclusive com a reforma da matriz que neste contexto assumi o título de Catedral. De lá para cá ela já passou por muitas modificações e tem sido, além de templo religioso, símbolo cultural e histórico da cidade. Sua exuberância e imponência chamam atenção, pois traz muitas peculiaridades, nela o clássico se mistura ao moderno, o antigo ao novo sem perder a harmonia e a beleza, além de contar com um conjunto de elementos que contam um pouco da vida e história da cidade.


Kenia Caroline Delgado Martinez

Representações jornalísticas da Etnia Terena: estudo do material publicado no Jornal Online da cidade de Aquidauana/MS

O advento da internet entre o final do século XX e início do século XXI, promoveu a difusão da informação on-line. O Jornal Aquidauana News e as suas primeiras edições aconteceram impressos, depois de forma pioneira on-line, contando com a colaboração do Jornal on-line Campo Grande News. Surge a versão online do jornal, criado em 2002 por Wilson de Carvalho, radialista e editor do jornal, o Aquidauana News apresenta uma diversidade de notícias referente à cidade local e o periódico também veiculou uma série de notícias sobre a etnia Terena. Apesar de outras etnias também terem sido objeto do noticiário veiculado no Aquidauana News, a presente pesquisa tem com corpus documental o material relativo a etnia Terena. Desse modo, a pesquisa encontra-se em fase inicial. Portanto, entender as características do jornal Aquidauana News e apresentar as matérias relativas a etnia Terena são os objetivos principais desta comunicação de pesquisa.


Lielva Azevedo Aguiar

Casa da Chácara: história, memória e patrimônio cultural no alto sertão baiano

A presente comunicação visa discutir a necessidade de preservação da Casa da Chácara, situada no município de Caetité/BA, bem como apontar brevemente suas potencialidades enquanto um espaço da memória, história, patrimônio cultural e arqueológico, passível de interpretação das transformações culturais da sociedade no alto sertão baiano.


Maria de Fátima Novaes Pires 

Arquivo Público Municipal de Caetité: notas históricas e atuais

O presente artigo trata da trajetória do Arquivo Público Municipal de Caetité, criado em 1996, por iniciativa de professores da Uneb/campus VI/Caetité. Destaco atividades realizadas desde a sua fundação até o presente ano (2011) e proponho reflexão sobre a importância da criação de arquivos no interior do estado para a preservação da memória histórica dos sertões baianos, permanentemente em risco devido à insuficiência e disparidades de políticas arquivísticas no território nacional.


Maria Eliane Brito de Andrade

Implantação de acervo histórico: preservação do patrimônio cultural de Ibiassucê-BA

O programa que aqui apresentamos tem como objetivo geral valorizar o patrimônio cultural do município de Ibiassucê-BA, promovendo um processo de preservação sustentável dos bens locais, como também a apropriação consciente da sua história, através da educação patrimonial. Várias ações integram esse programa, dentre elas foi concluída a aquisição e restauração do único patrimônio arquitetônico da cidade, datado de 1890. Outra ação iniciada refere-se à implantação de um acervo histórico que remete ao passado histórico e geografia local, que ficará disponível para ser avaliado à luz do que representou e do reconhecimento de novos usos como elemento na constituição da identidade cultural na atualidade. Resultados preliminares mostram que não há dispersão de documentos históricos do município, pois ele é praticamente inexistente, há uma pequena concentração de registros no cartório local, arquivada de forma inapropriada e que tende a desaparecer com o tempo. Foi possível catalogar noventa fotografias antigas às quais ainda carecem de arquivamento apropriado. Quanto aos objetos para a implantação de um museu de cultura popular muito pouco foi conseguido devido a sua inexistência. Concluímos preliminarmente afirmando que a preservação do acervo cultural são fontes primordiais para o reconhecimento da história da cidade, no entanto, essa não parece ser a perspectiva da educação e cultura local, desde o período da formação territorial do município.


Patrícia Marcelina Loures 

Nova Veneza Goiás: Culturas Imateriais em Festa

Este trabalho está em andamento no município de Nova Veneza Goiás. Refere-se ao projeto de pesquisa do Mestrado em Educação, sob o título “Entre Promessas Rezas e Benzeções: a produção e perpetuação dos saberes que não perpassam pela escola. Seu objetivo é elaborar um inventário das tradições envolvendo a cultura imaterial que sobrevive na localidade. Há uma forte presença italiana, o que pode ser observado em projetos de resgate cultural. Intriga-nos a presença de outras formas de cultura e que não são difundidas por nenhum tipo de projeto específico, mas que insistem em permanecer, contrários à lógica da sociedade capitalista. Culturas estas que são oriundas da tradição mineira, baiana e goiana, como é o caso das benzeções, Folias de Reis, de São Sebastião e de Coroa. Há ainda grupos de rezas prá’s almas demonstrando um ritual diferenciado, dentre outras manifestações da cultura popular. Autores como Bourdieu, Geertz, Lévis-Strauss, nos auxiliarão nesta pesquisa.


ST – Alto sertão: economia e sociedade

Propõe o estudo interdisciplinar dos modos de vida nos sertões baianos. Trata dos mecanismos de dominação e suas intersecções com o poder, das relações entre os homens e da dinâmica social entre segmentos, setores e grupos diferenciados. Desenvolve pesquisas que tematizam estudos sobre conflitos sociais, trabalhadores e minorias étnicas e culturais.

Professores coordenadores:

Marcos Profeta Ribeiro

Maria de Fátima Novaes Pires

Maria Lúcia Porto Silva Nogueira

Nivaldo Osvaldo Dutra


Adriana Moreira Pimentel 

Memórias de uma mulher de elite: a correspondência de Celsina Teixeira 1926-1950

Pretende-se analisar a memória de mulheres da elite local, pertencentes a uma família de fazendeiros no Alto Sertão Baiano compreendendo a escrita epistolar como recôndito das memórias femininas circunscritas em Caetité na primeira metade do século XX. Nesse sentido, analisar as correspondências de Celsina Spínola Teixeira Gomes Ladeia como integradas ao conjunto de memórias e ações de uma mulher de elite no ambiente familiar e público. A trajetória de Celsina é exemplar e está em consonância com a atuação de outras senhoras da época. Através das cartas as mulheres registraram memórias de uma época, confidências, estreitaram amizades e resguardaram segredos. Nessa escrita, elas deixam escapar as miudezas do cotidiano, da experiência familiar e, sobretudo, da vivência em sociedade.


Cleide de Lima Chaves 

Da caridade à assistência: o papel da Santa Casa de Misericórdia de Vitória da Conquista (1910-1930)

O presente trabalho pretende, através do estudo da fundação da Santa Casa de Misericórdia de Vitória da Conquista entre as décadas de 1910 a 1930 e de sua inserção como instituição de assistência à saúde, contribuir para o entendimento das relações entre a caridade e a saúde pública na cidade, bem como evidenciar a presença de médicos que viriam a se projetar politicamente em todo o Estado, como foi o caso dos doutores Crescêncio Antunes da Silveira e Luiz Régis Pacheco Pereira, que se tornaram, respectivamente, deputado e governador do estado da Bahia. Suas trajetórias demonstram a importância dessa instituição hospitalar não apenas para a sociedade, como também para a política local e regional. Os estudos sobre esta Instituição em outras regiões do Brasil já demonstraram a relevância dela e do seu rico acervo para a história da assistência, no entanto, as pesquisas acadêmicas ainda não haviam se “interiorizado” e este trabalho intenta preencher esta lacuna da historiografia baiana sobre as instituições de saúde.


Eudes Marciel Barros Guimarães

Circos, cinematógrafos e dimensões do lúdico no alto sertão baiano

Comunicação em que pretendo tratar da criação de ambientes lúdicos no alto sertão da Bahia com a presença de circos e cinematógrafos, levando em conta o caráter de itinerância dessas formas de diversão e as expressões artísticas e imagens utilizadas que informam sobre o seu tempo. Considero, a princípio, que as mudanças na linguagem circense e o aparato técnico das projeções traziam, para os espaços interioranos, novas maneiras de narrar as vicissitudes da modernidade. Dessa forma, interessa-me saber sobre suas influências nas experiências sertanejas num tempo em que o apelo ao progresso alcançava elasticidade, difundindo-se por variados lugares do interior do país.


Fernanda Gomes Rocha 

Uniões matrimonias e famílias negras em Minas do Rio de Contas, 1873 a 1888

Com base nos assentos de casamentos, o presente estudo objetiva analisar as uniões matrimonias de escravos e libertos sacramentadas pela igreja católica e a formação de famílias negras. Os dados pesquisados relevaram enlaces matrimonias envolvendo sujeitos de diferentes status jurídicos e sociais como escravos, libertos e livres pobres, evidenciando assim, a extensão da vida familiar e social na qual esses sujeitos estavam inseridos. O estudo fundamenta-se em 61 registros de casamentos legitimados pela igreja Matriz da Villa de Minas do Rio de Contas nos anos de 1873 a 1888.


Gabriela Amorim Nogueira 

“Se receberam em minha prezença os contrahentes”. Casamentos de escravos e forros no “Certam de Sima do Sam Francisco”: práticas e significados (1730-1790).

No presente trabalho apresento reflexões sobre a formação familiar entre escravos e forros, moradores de fazendas pecuaristas do “Certam de Sima do Sam Francisco” no decorrer do Setecentos. Nas entrelinhas de atas de casamentos e batizados foi possível perscrutar significados que esses próprios sujeitos sociais deram para as suas vidas ao formar laços conjugais, ao escolher os seus parceiros. Identificou-se alto índice de legitimidade entre os filhos desses escravos e forros, confirmando a recorrência de uniões sacramentadas nos altares católicos nas ditas fazendas. Buscou-se compreender essas experiências partindo da concepção de que a família, seja ela originada de relação consensual ou legitimada, foi a opção primordial para aqueles que vivenciaram a condição escrava nessas paragens do sertão “sanfranciscano”.


Jumara Carla Azevedo Ramos Carvalho 

A implantação da República no Alto Sertão da Bahia (Caetité, 1889-1930)

O presente trabalho tem por objetivo, tecer um estudo das esperanças e amarguras de um novo período do Brasil: a República. Entretanto, busca-se analisar, de forma mais específica, os impactos políticos e sociais desse “novo regime” na cidade de Caetité. O recorte temporal (1889-1930), referente ao primeiro momento republicano do Brasil, apresenta-se como uma forma de análise da estruturação política não só no âmbito nacional, mas especialmente regional e local, em virtude dos laços de poder e das relações familiares observadas no Alto Sertão da Bahia como uma região marcada pela existência de latifúndios, de sistema escravista e de uma elite conservadora e intelectualizada que, através das relações comerciais ou dos laços de compadrio, conseguia expandir e fortalecer as redes de influência política para além do sertão, e assim angariar prestígio, poder e favores. Percebe-se que em Caetité, com o fim da escravidão, esses ex-escravos, como também homens livres e pobres, ampliaram as estatísticas dos segmentos menos favorecidos em busca de melhores condições de vida, tanto através do trabalho como de táticas diversas, entre as quais estavam às redes de apadrinhamento solidificadas ao longo dos anos de vivência e dos serviços prestados aos segmentos mais favorecidos. Nessa perspectiva, o trabalho visa discutir de que forma se deu a implantação desse “novo regime” em Caetité, especialmente a partir da permanência das relações familiares e das conjecturas dos diversos segmentos sociais e políticos através dos laços de parentesco e compadrio no período de 1889 a 1930.


Marcos Profeta Ribeiro 

Mulheres: poderes herdados, poderes inventados. Alto Sertão da Bahia (1890-1940)

Objetiva-se neste artigo entender, mediante análise de ampla documentação composta, sobretudo de correspondênciaspessoais, as inserções femininas nos mais diversos setores sociais como integradas a um conjunto de ações herdadas, inventadas e reelaboradas a partir do convívio familiar. Perceber experiências entre mães e filhas, no interior do espaço familiar, não pressupõe uma ocultação do sistema de dominação entre os gêneros e de sua historicidade, nemtão pouco pressupões pensar o par mulher-família como essenciais. As experiências transmitidas serão analisadas enquanto redefinição e ampliação da palavra poder que, apreendido desde cedo, foi reelaborada constantemente pelas mulheres no seu devir quotidiano.


Maria de Fátima Novaes Pires

Escravos “baianos” na província paulista – travessias do tráfico interprovincial

A presente comunicação trata de experiências sociais vividas por escravos do Nordeste (especialmente da Bahia) na província de São Paulo, após transferências compulsórias provocadas pelo tráfico interprovincial. Essas experiências são analisadas a partir de processos criminais de Campinas e Sorocaba, e de jornais paulistas, localizados no Arquivo Edgard Leuenroth (Unicamp).


Maria Lúcia Porto Silva Nogueira 

A escrita autobiográfica e suas perspectivas no trabalho do historiador

O presente trabalho tem por objetivo a análise de memórias escritas por baianas sertanejas, no período entre 1930 – 1960, buscando evidenciar aspectos da cotidianidade e suas redes de sociabilidade. Estes registros trazem as vivências de sujeitos femininos enriquecidas pela inter-relação com outros sujeitos e pela assimilação ou embate dos valores dos grupos dos quais participam. São autobiografias num estilo em que autor, narrador e personagem se misturam no momento da escrita, diferentemente da biografia. Fugindo de uma postura obsoleta e presa a critérios de verdade e objetividade e sem desprezar outros tipos de documentos, podem ser tomadas como fontes no trabalho historiográfico, o que significa ousar formas de abordagem que dêem espaço aos múltiplos caminhos de construção do conhecimento.


Napoliana Pereira Santana 

Bolsista CAPES. Orientadora Maria de Fátima Novaes Pires

“Nasceo mª [minha] cria”: família escrava e reprodução natural no sertão do São Francisco (Urubu, 1840 – 1880)

Este trabalho busca examinar o processo de formação de núcleos familiares escravos no interior de fazendas pecuaristas no sertão do São Francisco, entre os anos de 1840 a 1880. A leitura pormenorizada e a quantificação de dados e informações presentes nos inventários da freguesia de Santo Antônio do Urubu de Cima revelaram que a manutenção e a ampliação da posse escrava naquela região ocorreram por meio da reprodução natural. Diante disto, qual a importância para homens e mulheres que viviam sob o cativeiro estarem ligados por redes de parentescos? Responder esta questão é tentar identificar os significados das experiências familiares para a vida dos escravos. E constitui-se a intenção da presente pesquisa.


Nivaldo Osvaldo Dutra 

Mangazeiros ou quilombolas: histórias, memórias e trajetórias dos negros do Mangal/Barro Vermelho (Urubu de Cima-séc. XVIII-XXI-BA)

Focalizo nesse estudo de história social questões pertinentes á identidade negra, tomando como referência as experiências de construção identitária da comunidade negra rural de Mangal/Barro Vermelho. O trabalho enfoca as lutas e resistências dos negros que vivem em territórios identificados como tradicionais. As discussões feitas estão presentes em fragmentos, encontrados nos depoimentos orais e na documentação escrita, que perpassam por distintas temporalidades. Discutimos o próprio sentido do termo quilombo e seu re-significado presente na produção historiográfica. Essa releitura se entrecruza com fontes diversificadas que estamos levantando, a partir da presença negra na região do Médio São Francisco.


Paulo Henrique Duque Santos

Bolsista CAPES. Orientadora Maria Odila Leite da Silva Dias

Légua tirana: caminhos, tropeiros e negócios no alto sertão da Bahia – Caetité (1890-1930)

O presente trabalho trata das incursões exploradoras de viajantes pelo alto sertão da Bahia, que revelam tanto a dinâmica da sua economia, com suas roças de criar e de cultivo, quanto os caminhos que, de longo tempo, serviam aos tropeiros para o transporte de mercadorias à espera de uma freguesia sequiosa pelas suas encomendas de costume. Documentam, em especial, sobre os negócios e o mercado de abastecimento interno no alto sertão.


ST – Educação, linguagem, cultura e memória

Considera a formação e a pesquisa na perspectiva de leituras de mundo singulares e/ou plurais. Favorece o desenvolvimento educacional, em sintonia com políticas públicas, com interlocução entre o saber acadêmico e o desenvolvimento regional. Contempla estudos sobre cultura e memória e suas relações de sociabilidade. Incluem-se estudos de linguagem (lingüístico, discursivo, histórico), suas diversas formas de representação e expressão cultural.

Professoras coordenadoras:

Marinalva Nunes Fernandes

Zélia Malheiro Marques


Adriana Cruz Veiga 

Gildava Araújo da Silva Nascimento

Verônica Gabriela de Souza

A importância da formação cultural do professor

O presente trabalho será uma análise do perfil dos professores da Serra Geral que utilizam o Campus VI da Universidade do Estado da Bahia para sua formação, estabelecendo como objetivo principal a cultura destes profissionais. A formação cultural do professor torna-se relevante na construção de sua visão de mundo para que as aulas não se limite a aprendizagem de saberes cognitivos e formais. Portanto, durante a formação do professor nas instituições de ensino superior deve-se voltar para a construção da identidade e sua expressão cultural, e buscar a compreensão dos modos de vida dos sujeitos, investigar seus valores, pensamentos, usos e costumes para que o professor em formação estabeleça em que dimensão cultural e qual o seu papel na sociedade e no contexto escolar.


Adriano Márcio Pereira Vieira 

Uma materialidade eufêmica do discurso patriarcal em propaganda da Natura

O presente trabalho, sob a égide da Análise do Discurso de linha francesa, apresenta uma leitura de uma propaganda de cosméticos para homens divulgada na revista de consultoria da empresa Natura, ciclo 10/2007. Em sentido mais estrito e numa primeira instância, esta escrita tece uma análise de cunho enunciativo, a qual encampa os artifícios argumentativos de elementos verbo-visuais oportunizados pela gama de possibilidades sígnicas em âmbito de linguagem. Pressupondo-se essa etapa de caráter enunciativo, este estudo realiza um processo de análise e interpretação do enunciado central da propaganda da Natura e sua chegada às discursividades, em que, por meio de conceitos teóricos como interdiscurso (por evocar determinados dispositivos teórico-metodológicos) e sujeito, evidencia-se um discurso patriarcal de veia dominante, que, pela memória, ganha nesse enunciado central uma materialidade lingüística.


Ailton Pinheiro Santos

Edvan Santos Carvalho

Marly Aparecida Gonçalves Nascimento

O papel da universidade na formação docente

Os modelos e tendências educacionais refletem o seu tempo, tendo em vista que influentes setores da sociedade norteiam as necessidades educacionais de uma época. Neste sentido, a preocupação predominante nesse início de século é com a máxima eficiência e rendimento do trabalho, ficando as universidades responsáveis pela formação das mais diversas áreas de trabalho, inclusive a formação de docentes. Porém, o mesmo modelo de sociedade que impulsionou a expansão universitária e a formação docente, é o mesmo que tem banalizado e enfraquecido o papel da universidade, promovendo a disseminação de formações relâmpagos. Assim, este artigo tem por objetivo tecer uma análise inicial acerca do papel do Campus VI da UNEB na formação docente na Região da Serra Geral da Bahia.


Daniela Matos Carvalho

Simone Francisca Martins

Orientadora Sidnay Fernandes dos Santos

O português falado em Caetité

O estudo apresentado é resultado de uma pesquisa em andamento nas comunidades rurais, Sambaíba, Morros e Sapé do município de Caetité Bahia. O primordial interesse é estudar e analisar as variações linguísticas dando maior enfoque aos metaplasmos de grande relevância na fala das comunidades em estudo. Para construção foi necessário se embasar em autores que discutem sobre o tema e em seguida realizar entrevistas feitas com base no estudo qualitativo, visando empregar o diálogo no processo investigatório. Dessa forma, a pesquisa em relação a este tema tem uma importância inegável á comunidade caetiteense, como também, a função de auxiliar e compreender as causas que geram a estigamatização da língua entre os falantes. E assim, este estudo se configura através de análises tanto linguísticas como sociolingüísticas que contemplam o Grupo de Pesquisa Cultura, Sociedade e Linguagem, vinculado ao Núcleo de Pesquisa e Extensão-NUPE/UNEB Campus VI. Sendo assim esta pesquisa torna-se importante no âmbito acadêmico uma vez que possibilitará o estudante a ampliar seu leque de conhecimentos.


Erivan Coqueiro Sousa 

Orientadora Renailda Ferreira Cazumbá

Jornal O Relato: espaço de leitura e divulgação da cultura oral sertaneja de Aracatu, BA

O trabalho pretende analisar o jornal O Relato como um espaço de divulgação de produções textuais da zona rural do município de Aracatu, em que a comunidade pode publicar textos da tradição oral, como causos, repentes, poesias, relatos de experiências e imagens recolhidos por meio de gravações, conversas, filmagens e fotografias. O esplendor e as mazelas do sertão são matéria prima do periódico mensal. Quando estas expressões são publicadas, os membros do jornal retornam para as comunidades, entregando gratuitamente o informativo para a população, como forma de divulgar a prática leitora. Pretende-se analisar o jornal como meio de formação do leitor, pois possibilita que as pessoas da zona rural dos sertões de Aracatu e região entrem em contato o texto escrito oriundo da tradição oral.


Eva Teixeira dos Santos Alves 

O ensino no meio rural: análise da influência do ensino para permanência do homem no campo

Esta pesquisa, intitulada “Ensino no Meio Rural: análise da influência do ensino para permanência do homem no campo” teve como objetivo verificar a influência do ensino para a permanência  do homem no campo. Para isso fez-se uma breve retrospectiva da historia da educação no Brasil, enfocando a educação rural, assim como foi denominada. Buscou-se no decorrer do trabalho compreender a concepção de educação no campo, na sua base social e legal. É com a Nova Constituição que ao reconhecer como obrigação do Estado oferecer educação de qualidade, sendo esta um direito de todo que a educação pensada para o meio rural vai receber uma nova denominação agora de educação do campo. A LDB 9394/96 vem consolidar a educação para o campo ao reconhecer em seu Art.28 a necessidade de uma educação diferenciada para a população que reside no campo, incluindo além das disciplinas do currículo base disciplinas relacionadas à realidade vivenciada pelos alunos.  As Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo são à base da educação do campo. A abordagem que se fez necessária fundamentou-se, portanto, nos pressupostos qualitativos. Para a coleta dos dados utilizou-se de questionários bem como de análises de documentos para contextualizar e caracterizar a educação do campo. Por meio do diálogo com autores que também discutem a temática, entre eles Caldart (2004), Fernandes (2004), Damasceno e Beserra (2004) e por intermédio dos procedimentos adotados na análise dos dados, foi possível verificar que para a necessidade urgente da implantação de políticas sociais que busquem da oportunidade a tanto jovens que não conseguem ter grandes perspectivas para seu futuro, e junto com ela algumas mudanças no ensino, para assim ele influenciar na permanência do homem no campo.


Marinalva Nunes Fernandes 

Educação e desenvolvimento sócio-político e econômico: uma discussão a partir do curso técnico agropecuário oferecido pelo IFBaiano/Campus Guanambi

São várias as iniciativas que surgem no mundo do trabalho, no ramo produtivo em que está presente a dimensão educativa. Existe, hoje, no Brasil, uma tendência que defende a possibilidade da transformação econômica, política e social ocorrer a partir de ações locais que possa estabelecer um vínculo entre educação, trabalho e desenvolvimento econômico. Assim sendo, é preciso que as teorias pedagógicas compreendam a importância desses elementos nas pesquisas que versam sobre o fenômeno educativo. O presente trabalho é parte da dissertação de Mestrado, defendida no Programa de Educação da PUC-GO em maio de 2011, tem como objetivo buscar o diálogo entre a educação profissional, o trabalho e o desenvolvimento sócio-político econômico dos municípios que fazem parte do Sertão Produtivo e constituem a base de ação do IFBaiano∕Campus Guanambi-Ba, tendo como referência o curso técnico agropecuário.  As análises pautaram nas novas configurações da educação profissional e do desenvolvimento regional ocorrida a partir dos governos de F H C ( 1994-2001)  e de Lula da Silva (2002-2010).


Naiara Porto da Silva 

Orientadora Renailda Ferreira Cazumbá

Chula do Pilão: tradição e continuidade da cultura oral popular do alto sertão baiano

O trabalho procura apresentar a “Chula do Pilão”, manifestação da cultura popular existente na Fazenda Jacaré, município de Brumado. Trata-se de uma dança em que os moradores do Jacaré faziam para comemorar festejos de casamento por três dias na casa da noiva e três dias na casa do noivo.  As celebrações eram em épocas de colheita por conta da fartura de comida, ou seja, pilava-se o milho ao som de canções que retratavam o cotidiano do sertanejo. Esta cultura foi passada de geração em geração e hoje os integrantes incentivam a participação de seus descendentes para que no futuro essa manifestação cultural não se perca no esquecimento. Para tanto, entramos em contato com o grupo através de um trabalho etnográfico, baseado em coleta de dados através de gravações e entrevistas.


Sebastião Agnaldo Dias Castro 

Francisco Flávio Alves Felipe

Magda Reijane da Veiga Montalvão

A educação no contexto social e econômico

O trabalho ora apresentado busca discutir o processo educacional enquanto ação promotora da inclusão social. Para tanto se fundamenta em fontes secundárias buscando autores/as que discutem a importância da educação enquanto uma ação coletiva e protagonista da democracia e da socialização, a exemplo de (Dourado 2001); outra questão destacada é o papel da sociedade enquanto organização de inclusão e ou exclusão social, abordado por (Marchesi 2004); também reflete sobre o estado enquanto agente financiador, destacando a visão de (Dourado, 2001); o profissional da educação enquanto agente de formação é outro aspecto abordado buscando a compreensão de (Roza, 2008); por fim, traz nas considerações finais destaque sobre a importância de se refletir cada vez mais sobre os temas abordados, a exemplo da necessidade da sociedade participar ativamente dos projetos educacionais enquanto agente na promoção da educação, bem como, repensar a função do estado enquanto agente patrocinador da educação pública.


Sidnay Fernandes dos Santos 

A escrita da história do tempo presente em um caso de corrupção

Nesta comunicação, considerando a articulação entre o linguístico e o histórico, abordo a circulação de enunciados na mídia jornalística, a partir de conceitos intrínsecos à  noção de acontecimento discursivo postulados, principalmente, por Foucault e Pêcheux. Assim, tendo como aporte teórico-metodológico a Análise de Discurso de orientação francesa, o objetivo deste estudo é discutir o processo de irrupção de determinados enunciados, questionando  por que, ao surgir, eles  materializam determinados sentidos e não outros, em sua relação com a(s) possibilidade(s) de gerar memória(s). Nessa perspectiva, focalizo a escrita da mídia impressa acerca de alguns episódios do acontecimento o escândalo dos cartões corporativos do governo brasileiro.


Wilma Moura Conceição

Orientadora Marinalva Nunes Fernandes

Formação continuada: aplicabilidade e reflexos na prática pedagógica do professor da educação básica

O presente trabalho tem o intuito de contribuir com o debate a partir do olhar da formação continuada dos professores que atuam na educação básica na rede municipal de Guanambi-Ba. Trata de considerações iniciais devido a pesquisa estar em andamento. Optou-se por uma abordagem qualitativa, utilizando a entrevista e a análise de documentos  para investigar qual a contribuição da formação continuada dos professores da rede municipal de ensino de Guanambi na sua ação pedagógica de forma a possibilitar ao aluno autonomia para sua intervenção crítica nos problemas sociais. Para o aporte teórico embasamos nos estudos de Alarcão (2003) Pimenta (2002), Enguita (2010), Libâneo (2001), dentre outros. Os resultados, ainda que parciais, evidenciam um faz de conta na formação, professores desacreditados, alienados que não se assumem como parte do contexto histórico e social.


Zélia Malheiro Marques 

Fazendo História: leituras de si e do social

Esta comunicação se situa entre eixos temáticos como a formação e a leitura e procura pensar narrativas leitoras que falam das próprias experiências de leitura. Assim sendo, através da aplicação do projeto “Fazendo História” (PICIN/UNEB), realizado em 2010 com alunos do ensino médio do Instituto de Educação Anísio Teixeira, em Caetité – Bahia, foi possível pensar o processo de constituição leitora e fazer coleta do material produzido através do registro das narrativas como os diários. Do entrelaçamento das leituras, em formação e pesquisa, as narrativas sinalizaram a singularidade leitora e os cenários caracterizadores dos ambientes urbanos e rurais desta região.


Painéis

Aline da Silva Reis

Olhares sobre o patrimônio de Palmas de Monte Alto – Bahia: meio ambiente, história e cultura

A palavra patrimônio é de origem latina – “patrimonium”, e se relaciona à concepção de “herança paterna”, onde as lembranças e as memórias caracterizam as identidades culturais de um determinado povo. É transmitido de geração em geração e constantemente recriado pelas comunidades e grupos em função de seu ambiente, de sua interação com a natureza e de sua história. Nesse sentido, o presente trabalho tem como objetivo apresentar os diversos olhares sobre o patrimônio de Palmas de Monte Alto – Bahia, expondo suas exuberantes paisagens naturais, características físicas, geográficas e históricas. Sendo assim, os resultados deste trabalho demonstram que há uma enorme quantidade de bens patrimoniais a serem preservados e valorizados.


Caio Ceza da Silva Nunes

Klara Jackelyne Pereira da Costa Rocha Moreira

Débora Andrade Paes

Patrícia Santana Reis

Concepções de lixo de alunos da zona rural do município de Caetité, Sudoeste Baiano

Este trabalho é parte integrante das atividades da disciplina Estágio Supervisionado I. Objetivou verificar a concepção que alunos do 6º ano do distrito de Maniaçú, Caetité/Bahia, têm sobre o lixo. Para tal aplicou-se questionário semi-estruturado com estes alunos do Ensino Fundamental II, na escola Municipal Zelinda Carvalho Teixeira. Este trabalho serviu como base para planejamento das aulas do conteúdo lixo, visto que o questionário foi aplicado antes das exposições.A partir das análises, os conhecimentos prévios puderam ser avaliados. Os alunos souberam conceituar lixo, afirmando que o lixo de suas casas é queimado, jogado no rio ou levado para lixões. Além disso, demonstraram preocupar-se com a diminuição da quantidade de lixo e com o reaproveitamento de materiais, como vidro e papel.


Danielle da Silva Ramos

Laiane Fraga da Silva

Michelle Silva Oliveira

Fontes documentais e pesquisa histórica no alto sertão da Bahia

A preservação do acervo documental produzido no alto sertão baiano, cuja temporalidade remonta ao século XVIII, adquire extrema relevância devido às possibilidades de pesquisas nas mais diversas áreas. Este trabalho pretende destacar algumas temáticas de pesquisa que podem ser exploradas pelos estudantes de graduação em História, a partir do contato com fontes históricas presentes no Arquivo Público Municipal de Caetité. Além disso, objetiva-se destacar a importância dessa instituição na preservação de amplo acervo documental e a possibilidade de oferecer aos estudantes o efetivo exercício do ofício do historiador numa completa aproximação entre teoria e prática no âmbito do conhecimentohistórico.


Erilton Fernandes e Silva

Ensino-aprendizagem de Matemática através da Resolução de Problemas

Este trabalho constitui-se num estudo explicativo sobre a importância da Resolução de Problemas para o ensino-aprendizagem da Matemática. Por sua vez, se justifica na busca de transformações do ensino e da necessidade de desenvolver uma prática pedagógica que leve o educando a elaborar e validar suas próprias estratégias de aprendizagem. A metodologia utilizada partiu-se de uma pesquisa de campo com alunos do 6º ano do Ensino Fundamental do Colégio Estadual Tereza Borges de Cerqueira em Caetité, Bahia. Os dados analisados revelaram as principais dificuldades que os alunos encontram ao resolver problemas matemáticos, as noções que os mesmos já tem deste processo e sua importância para o ensino-aprendizagem da Matemática.


Indira de Matos Fernandes

Wanuza Kelly Pereira Porto

Orientador Marcos Profeta Ribeiro

Relações familiares: comércio, terra e poderes no alto sertão baiano (1900-1930)

O trabalho “Relações Familiares: Comércio, Terra e Poderes no Alto Sertão Baiano (1900-1930), visa estudar as relações das famílias caetiteenses caracterizando as relações de poder, pois a partir deste entenderemos condutas, arranjos, relações familiares e seus concernentes conflitos na região do Alto Sertão baiano entre o final do século XIX e início do século XX. Para que isso se torne possível, analisaremos através de cartas inventários e fotografias as trajetórias individuais e conflitos internos e externos, entendendo assim como as mudanças sociais interferiam no seio familiar.


Joselino Rodrigues Santos

Maurina Lima Silva

Orientadora Zélia Malheiro Marques

Leituras e leitores: valorização de narrativas rurais

Este trabalho tem relação com o projeto “Casa de cultura: nossas leituras e outros mundos”, (Programa Interno de Iniciação Científica – PICIN/UNEB) em parceria com a Biblioteca Móvel Anísio Teixeira. Pretende-se mapear os espaços rurais das escolas multisseriadas que foram nucleadas pela Secretaria de Educação do Município de Caetité e apoiar os leitores na construção, nesses locais, de casas de cultura. Neste ano de 2011, busca-se eleger dois espaços culturais para a realização de encontros de leitura e, a partir da abordagem autobiográfica, catalogar as narrativas de leitura caracterizadoras das leituras pessoais e sociais referentes à oralidade local para serem somadas aos demais instrumentos de leitura que irão constituir o acervo referente à casa de cultura criada.


Maria Gorete da Silva Neiva

Memórias e narrativas: sincretismos e festejos de São Sebastião (Correntina-BA, 1938-1960)

Esse projeto objetiva investigar os festejos de São Sebastião – prática cultural/religiosa dos moradores do povoado de Silvânia. Com mais de cem famílias, a comunidade desenvolve sua economia com base na agricultura de subsistência, localiza-se a 12 quilômetros da sede do município de Correntina, no Oeste do Estado da Bahia. A pesquisa se pauta principalmente na metodologia da História Oral. Segundo fontes previamente analisadas, ao que parece essa manifestação cultural ultrapassa uma temporalidade de mais de cem anos, ao longo desse tempo sofreu algumas transformações e continua sendo a principal referência cultural dos sujeitos dessa localidade.


Simone Francisca Martins

Daniela Matos Carvalho

Orientadora Sidnay Fernandes dos Santos

O Português falado em Caetité

O estudo apresentado é resultado de uma pesquisa em andamento nas comunidades rurais, Sambaíba, Morros e Sapé do município de Caetité Bahia. O primordial interesse é estudar e analisar as variações linguísticas dando maior enfoque aos metaplasmos de grande relevância na fala das comunidades em estudo. Para construção foi necessário se embasar em autores que discutem sobre o tema e em seguida realizar entrevistas feitas com base no estudo qualitativo, visando empregar o diálogo no processo investigatório. Dessa forma, a pesquisa em relação a este tema tem uma importância inegável á comunidade caetiteense, como também, a função de auxiliar e compreender as causas que geram a estigamatização da língua entre os falantes. E assim, este estudo se configura através de análises tanto linguísticas como sociolinguísticas que contemplam o Grupo de Pesquisa Cultura, Sociedade e Linguagem, vinculado ao Núcleo de Pesquisa e Extensão-NUPE/UNEB Campus VI. Sendo assim esta pesquisa torna-se importante no âmbito acadêmico uma vez que possibilitará o estudante a ampliar seu leque de conhecimentos.


Mesa-redonda 2 – “Leitura e formação docente”

Isnara Pereira Ivo

Administração dos caminhos do sertão da Bahia e de Minas Gerais. Século XVIII


Luciete de Cássia Souza Lima Bastos 

Formar pelo prazer de ler, eis a questão!

Algumas pesquisas acadêmicas apontam que ler também é fruto da memória e da história de cada pessoa. Na vida dos leitores, há sempre alguém que os seduz no processo. Quando esse despertar não ocorre no espaço familiar, o professor desempenha importante papel no ensino-aprendizagem da leitura. “Como ensinar o prazer de ler?” Pergunta feita por Rubem Alves (2004), mas que inquieta a todos os professores comprometidos com a leitura. Como seduzir, se o próprio professor ainda não se deixou seduzir por ela? E por que a necessidade de sedução? Essas questões resultaram no projeto de extensão denominado Literatura: instrumento de resgate do prazer de ler, vinculado à linha de pesquisa Educação, Leitura e Formação Docente do Grupo de Pesquisa Cultura, Sociedade e Linguagem (GPCSL/CNPq). O projeto foi desenvolvido na UNEB-Campus VI, entre os anos de 2001 e 2008 com o objetivo de propiciar aos professores da rede pública do município de Caetité o acesso e a apropriação crítica de conhecimentos sobre a promoção da leitura no cotidiano escolar, tendo a literatura como ponto de partida, o que me mobilizou na direção de uma proposta metodológica diferenciada que tivesse por princípio o texto e a liberdade de escolha. Pretendi oportunizar ao docente perceber a leitura em suas várias dimensões, relação dialética entre autor, texto, leitor e contexto, ampliando as possibilidades de trabalhá-la em sala de aula de forma prazerosa e dinâmica. Não se pretendeu habilitar docentes a praticar técnicas de leitura e produção de textos, mas incentivar a leitura como forma de conhecimento e prazer, sugerindo atividades de leitura que despertassem nesses docentes o prazer de ler, porque ninguém aguça em outrem algum sentimento ou gosto que não tenha sido, anteriormente, por ele mesmo experimentado. Este texto é uma reflexão sobre essa experiência, para tanto, convoquei Daniel Pennac (1998), Paulo Freire(1981-2003), Freinet(1998), Bartolomeu Campos Queirós (1999), Ana Maria Machado, Rubem Alves (2002). Compartilhar a experiência e contribuir com a reflexão sobre políticas públicas de formação de leitores de forma prazerosa é a proposta desta comunicação, a qual apresenta e discute uma nova perspectiva de promover a formação de professores leitores na qual são, simultaneamente, sujeitos e objetos da ação.


Gilson Brandão de Oliveira Junior

Possui bacharelado (2006), licenciatura (2008) e mestrado (2010) em História Social pela Universidade de São Paulo. É doutorando em História Social pela Universidade de Brasília (2011). Atualmente é professor Assistente I da Universidade Federal da Bahia – Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável (UFBA-ICADS). Tem experiência na área de História, com ênfase em estudos afro-brasileiros, atuando principalmente nos seguintes temas: relações Brasil-África, centro de estudos africanos e História da África.


Isnara Pereira Ivo

Descrição: barra3
Possui mestrado (1998) e doutorado (2009) em História pela Universidade Federal de Minas Gerais. É professora da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, tem experiência na área de História, com ênfase em História do Brasil Colônia e Teoria e Metodologia da História. Atua, principalmente, nos seguintes temas: Sertão da Bahia, sertão de Minas Gerais, comércio interno colonial, escravidão negra no Brasil e na África, historiografia brasileira e Teoria da História. É autora de vários artigos e capítulos de livros publicados em área específica. Em 2004, publicou pela Edições Uesb “O anjo da morte contra o Santo Lenho: poder, vingança e cotidiano no sertão da Bahia”, originalmente, dissertação de mestrado. Em 2008, juntamente com o professor Eduardo França Paiva, organizou o livro “Escravidão, mestiçagem e histórias comparadas” publicada pela editora Annablume em parceria com a Edições Uesb e o Programa de Pós-Graduação em História da UFMG. Em 2010, organizou com os professores Eduardo França Paiva e Ilton Cesar Martins, a obra ” Escravidão, mestiçagens, populações e identidades culturais, publicada pela editora Annablume em parceria com a Edições Uesb e o Programa de Pós-Graduação em História da UFMG. Atualmente é professora do Programa de Pós-Graduação em Memória, Linguagem e Sociedade e desenvolve pesquisas sobre escravidão, comércio e trânsitos de culturas no império ultramarino português.


Luciete de Cássia Souza Lima Bastos

Possui Mestrado em Estudos Literários pela Universidade Federal de Minas Gerais (2010), especialização em Alfabetização (1995) pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Linguística Aplicada (1999) pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Literatura e ensino de literatura (2001) pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Atualmente, é professora Assistente do Curso de Letras da Universidade do Estado da Bahia DCH-Campus VI-Caetité.Tem experiência na área de Letras, com ênfase em literatura infanto-juvenil (Ana Maria Machado) Teoria Literária e Literatura Brasileira, atuando principalmente nos seguintes temas: literatura brasileira, Infanto-juvenil, leitura e memória.


Márcio Roberto Alves dos Santos

Descrição: barra3
Possui graduação em Filosofia pela Universidade Federal de Minas Gerais (1985), mestrado em História pela Universidade Federal de Minas Gerais (2004) e doutorado em História Social pela Universidade de São Paulo (2010). Atua na área de História do Brasil Colônia, com ênfase nos seguintes temas: formação territorial do interior do Brasil, colonização do sertão baiano e mineiro, Rio São Francisco, caminhos antigos. É autor de Estradas reais: introdução ao estudo dos caminhos do ouro e do diamante no Brasil (Belo Horizonte, 2001), Rio São Francisco : patrimônio cultural e natural (Belo Horizonte, 2003), Bandeirantes paulistas no sertão do São Francisco : povoamento e expansão pecuária de 1688 a 1732 (São Paulo, 2009) e Fronteiras do sertão baiano : 1640-1750(São Paulo, Edusp, no prelo). Atua profissionalmente na Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais, onde é co-gestor do Projeto Cidadania Ribeirinha, voltado para ação social no Vale do São Francisco. Coordenou, pela instituição, o projeto de pesquisa A transposição do São Francisco : uma análise histórica e socioambiental, com apoio financeiro da Fapemig e relatório em vias de publicação. Tem participação em ações de preservação da memória institucional e fomento à criação de arquivos históricos municipais.


Maria de Fátima Barbosa Abdalla

Descrição: barra3
Graduada em Letras, Música, Pedagogia. Mestrado e Doutorado em Educação pela FE-USP e pós-doutora em Psicologia da Educação pela PUC/SP. Atualmente, é professora e pesquisadora da Universidade Católica de Santos/UNISANTOS e pesquisadora associada do Centro Internacional de Representações Sociais e Subjetividade em Educação/CIERS-Ed/FCC. 1ª Secretária Nacional da ANFOPE, membro do Fórum Estadual Paulista e do Fórum Permanente de Apoio à Formação Docente/SP. Membro do GT de Didática da ANPEd.


Marilde Queiroz Guedes

Descrição: barra3
Doutora em Educação: Currículo – PUC-SP (2010). Mestre em Educação Brasileira pela Universidade Federal de Goiás (2001). Especialista em Metodologia do Ensino Superior pela PUC-MG (1993). Graduada em Letras pela Faculdade de Formação de Professores de Arcoverde – PE (1982). Graduada em Pedagogia pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Caruaru – PE (1985). Professora assistente da Universidade do Estado da Bahia. Atualmente é servidora estatutária pela Secretaria de Educação do Estado da Bahia. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Currículos Específicos para Níveis e Tipos de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: aprendizagem, formação de professor e educação, currículo, diversidade cultural e multiculturalism, formação, política de formação e professor, reforma educacional – currículo – ensino médio e parâmetros curriculares – currículo oficial. Membro do Grupo de Pesquisa Currículo: Questões Atuais, linha de pesquisa: Currículo e Avaliação Educacional – PUC/SP. Líder do Grupo de Pesquisa Formação de Professor e Currículo no DCH Campus IX – UNEB.


Zezito Rodrigues da Silva

Descrição: barra3
Pós-gruaduado em História Social do Brasil pela Universidade do Sudoeste da Bahia (UESB), possui graduação em História pela Universidade do Estado da Bahia (1998) e graduação em Estudos Sociais pela Universidade do Estado da Bahia (1992). Atualmente é professor auxiliar nível 1-b da Universidade do Estado da Bahia e pesquisador desta Universidade, integrando o Grupo de Pesquisa Cultura, Sociedade e Linguagem, integrante da Linha de Pesquisa: Arquivos, bens culturais e patrimônio, atuando principalmente nos seguintes temas: história, cultura, diversidade e poder.

Comissão Organizadora

Luciete de Cássia Souza Lima Bastos

Marcos Profeta Ribeiro

Maria de Fátima Novaes Pires

Maria Eliane Brito de Andrade

Marinalva Nunes Fernandes

Nivaldo Osvaldo Dutra

Paulo Henrique Duque Santos

Rosangela Figueiredo Miranda

Zélia Malheiro Marques


Parceiros

Descrição: barra3
Rosália Junqueira Aguiar. Coordenadora do APMC
Arquivo Público Municipal de Caetité